Missão

CENFIPE - MISSÃO

Responsabilidade Partilhada | Qualidade na Formação | Articulação com os Projetos Educativos das Escolas Associadas

Ao Centro de Formação e Inovação dos Profissionais de educação/Escolas do Alto lima e Paredes de Coura - CENFIPE compete, naturalmente, o papel de interlocutor com o exterior, mobilizando recursos e apoios externos no sentido de, em primeira instância, otimizar os recursos endógenos à organização escolar, enquanto território educativo, mas também os recursos colocados à disposição pelo próprio sistema, estimulando a sua divulgação e utilização. Este CFAE tem por missão proporcionar formação ao pessoal docente e não docente, em funções nas escolas associadas, para o exercício da função educativa, para o exercício do apoio à ação educativa e, ainda, para exercício de funções de gestão e administração, tendo em vista assegurar a atualização, a reconversão e o aperfeiçoamento profissional. O Centro tem ainda por missão colaborar na avaliação do pessoal docente no âmbito das suas competências, nomeadamente no que concerne à coordenação e gestão da bolsa de avaliadores externos.

A Missão do CENFIPE estruturara-se a partir de uma linha ade ação marcada por 5 ideias estruturantes:

1. Valorizar o potencial formativo do Centro de Formação enquanto elo propiciador e produtor de sinergias, estratégias, dispositivos e práticas de formação que valorizem fortemente a aprendizagem contínua dos atores escolares. As Escolas do Alto Lima e Paredes de Coura exigem ideias concretas, novos estímulos, novos compromissos/rumos numa abordagem essencialmente prospetiva e pro ativa;

2. Afirmar e valorizar a Formação centrada na escola – Nos últimos anos e conforme assistimos ao estrangulamento dos recursos financeiros a formação alterou o paradigma valorizando-se as ações que fazem do estabelecimento de ensino o lugar onde emergem as atividades de formação dos seus profissionais e não uma escolha baseada num menu que o Ministério da Educação disponibilizava. A formação deve permitir que os próprios professores disponham de um conhecimento aprofundado e concreto

sobre a sua organização e prática pedagógica, elaborem um diagnóstico sobre os seus problemas e mobilizem as suas experiências, saberes e ideias para encontrarem e aplicarem as soluções possíveis/desejáveis para a sua formação contínua. Adequar a oferta de formação à procura real das Escola/Territórios Educativos no quadro dos diferentes projetos educativos é hoje o grande desafio. É na centralização na Escola, nos seus projectos de desenvolvimento e melhoria que reside o estímulo para este novo desafio de um CFAE que seja o reflexo de qualidade e da excelência dos diferentes Planos de Formação das suas Escolas associadas. Existe na presente proposta uma intenção clara de potenciar/valorizar

e respeitar a identidade de cada escola, respondendo a projectos de formação contextualizada;

3. Assegurar e legitimar a ação institucional do Centro. Promover a sua visibilidade social e dimensão simbólica de modo a permitir o alargamento do seu campo de ação e reconhecimento pelos agentes educativos/parceiros em contexto local bem como solidificar a consistência deste Centro na agora reduzida REDE de Centros é uma linha de rumo que não podemos descurar. A formação deve ser articulada com as necessidades dos professores, das escolas e as particularidades da região. Devemos assumir claramente e sem falsa modéstia, a pretensão de ser, a este nível, uma entidade formadora nuclear;

4. Implicar as Escolas associadas na definição de estratégias, atividades e ações de Formação. Como refere Hargreaves “querer introduzir mudanças à margem do que os professores sentem é introduzi-las pela parte falsa e, como tal condená-las ao fracasso”. O êxito educativo requer um trabalho colaborativo de participação, de cooperação e de aprendizagem comum. É importante fomentar o associativismo entre as escolas de modo a perspetivar o CFAE como uma estrutura de apoio às suas iniciativas internas;

5. Assumir a consciência da necessidade da interatividade no processo de mudança leva-nos a afirmar que as mudanças organizacionais que se reservam aos CFAE são insuficientes se não forem acompanhadas por mudanças organizacionais nas escolas e nos processos de formação e desenvolvimento pessoal, profissional dos atores em contexto local.